Aceitarmos a morte, seja de alguém, de uma relação, de um sonho ou até de algo em nós significa darmos uma situação por encerrada para, então, seguirmos em frente. Para todo fim há um recomeço. Como disse Steve Jobs, somente quando olhamos para trás é que ligamos os pontos e enxergamos que algumas coisas, de fato, não eram para serem nossas. Viver e morrer são faces da mesma moeda. Existe um dito popular do norte da Espanha que ilustra bem isso: “Onde houver risos, cantos e comemorações haverá também uma morte sendo celebrada”. O fim de determinada situação implica, necessariamente, no começo de uma nova etapa. E o novo merece ser sempre reverenciado.